quinta-feira, 18 de novembro de 2010

A estrada


Vejo no horizonte tremulo o infinito
Por mais longe que meus olhos vêem
Por mais triste que for minha partida
E por fim a alegria de minha chegada

Tantas são as estradas que nossas vidas se entregam
Tanto são os caminhos que elas podem tomar
Mesmo com suas idas e vindas
Por fim algo de bom iremos levar

Mesmo que sofremos com tais caminhos
 Ás vezes só o sofrimento pode nos dizer
Se nesses caminhos o que ganhamos e perdemos
Bem La no fundo realmente devia nos pertencer

2 comentários:

  1. Uma pequena poesia para relembrar fatos de minha vida e de amigos q passaram pelo mesmo!

    ResponderExcluir
  2. Doces palavras, gostei da forma como retratou a "motanha russa" da vida, como devemos lidar com o que nos é "dado" e "tomado".
    Bjos de sua fã eterna.

    ResponderExcluir